25/10/2013

lixívia de cinzas



Vem aí o tempo frio! quem tem lareira, nesta altura já tratou do aprovisionamento de lenha e pinhas e  de as arrumar com mestria. Sim, o arrumar da lenha "tem ciência", não vá ela desabar por ali abaixo! Não tarda, é tempo de carregar um cesto de lenha para dentro de casa todos os dias!  miúdos e graúdos, todos anseiam por um serão quentinho passado à lareira com a família e os amigos. 

Mas depois do fogo, vêm as cinzas e há que dar-lhes destino.  Em tempos consideradas um produto valioso na lavagem da roupa, usadas em barrelas que deixavam linhos e algodões corados ao sol numa brancura imaculada, hoje em dia as cinzas, sobretudo nos meios urbanos, são consideradas "um estorvo".  Quem tem horta, ainda aproveita para as espalhar no terreno, atrapalhando a vida às indesejáveis lagartas e caracóis, mas nas cidades isso não acontece. Juntam-se as cinzas de dois ou mais dias, espera-se que arrefeçam completamente, que não contenham brasas incandescentes e lá vão elas para o lixo.
Mal empregadas! 




Do mesmo modo que se podem aproveitar óleos usados para fazer sabão, poupando os cursos de água e os terrenos a muita poluição, também as cinzas podem produzir um excelente produto de limpeza, a lixívia de cinzas

Como fazer a lixívia de cinzas

Comece por coar as cinzas numa peneira mais grossa, libertando-a das partículas maiores


 

e depois num crivo mais apertado, até obter um pó fino.


em seguida,
  • Ponha a ferver durante 30 minutos 1kg de cinzas peneiradas com 3 litros de água, de preferência sem cloro, numa panela inox, tapada.
  • Abafe a panela com um cobertor, deixe repousar durante 48 horas e filtre.
  • Filtre  primeiro através dum pano para reter a maior parte das cinzas e, em seguida, através de um filtro de papel, para clarificar a lixívia obtida.



A lixívia de cinzas é um poderoso desengordurante e germicida, a utilizar na limpeza da cozinha, fogão, casas de banho, torneiras, todos os inox, o verdete dos muros... 
As cinzas podem voltar a ser fervidas e coadas, podendo acrescentar-se essa segunda lexívia à primeira.  Consoante a necessidade, pode usá-la pura ou diluída. Com as cinzas que permanecem no pano depois da filtragem, pode-se lavar o chão de pátios e passeios, esfregando-os com uma vassoura e mais água.  Verá que em todos os casos o resultado é surpreendente!

Esta lixívia tem propriedades muito diferentes da lixívia de cloro que habitualmente se vende nos supermercados.  A lixívia de cinzas não tira a cor dos tecidos, é desengordurante e inodora, além de que, na diluição indicada,  não é poluente para os cursos de água e terrenos.  Têm em comum o facto de serem germicidas.

Perguntam-me muitas vezes se todas as cinzas são iguais, ou seja, se a lixívia de cinzas obtida é igual feita a partir de quaisquer cinzas. 
Madeiras diferentes, produzem cinzas diferentes. As cinzas resultantes da combustão de madeiras duras, como sobro ou azinho, contêm mais potássio e fazem uma lexívia mais actuante do que as cinzas de madeiras moles, como pinho ou eucalipto.  Mas todas podem ser utilizadas em limpezas.





Muito importante
  • Identifique claramente a embalagem da lixívia de cinzas com um rótulo bem legível, para não a confundir com qualquer outro produto.
  • Por se tratar de um produto muito alcalino, hidróxido de potássio, ele deve ser manipulado com luvas.






15 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Adorei, Manuela. A verdade é que já as nossas avós fazias a s famosas barrelas, para "desencardir" as roupas. Vou experimentar, ainda fazes o detergente para a roupa?

    ResponderEliminar
  3. Sim, Maria Joaquina, faço o meu sabão para a roupa e para a loiça também :) além do sabão para o banho, o que é mesmo muito bom!

    ResponderEliminar
  4. estou a percorrer o seu blog, que encontrei por acaso, com imensa satisfação. Dou-lhe os meus parabéns, pelo seu óptimo e claríssimo português e pelos temas escolhidos inseridos em páginas bem ilustradas e fáceis de ler. É raro! olhe, tenho lareira e imagino que fique contente por saber que pelo menos a minha pessoa vai aproveitar as cinzas para fazer lixívia. Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João Analdo,
      Grata pelas suas palavras. Pois pode acreditar que fico mesmo contente por saber que vai fazer a lixívia de cinzas! e mais contente ainda por começar já a imaginar o quanto vai gostar de a utilizar!

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Gostei imenso do seu artigo. Ando a fazer pesquisas sobre o sabão de cinzas, e gostaria de saber se é possível utilizar essa lixívia para fazer sabão em barra. Conhece alguma receita de sabão de cinzas com óleos vegetais? Ou sabe dizer-me onde consigo obter informação sobre este assunto? Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Cátia,
      obrigada pela visita :) A questão que coloca é interessante. Ora bem, pode-se fazer sabão em barra com hidróxido de potássio (KOH), ou seja, com lixívia de cinzas. O que acontece é que hoje em dia quase ninguém o faz, porque para que o hidróxido de potássio atinja a alcalinidade suficiente para saponificar gorduras o procedimento é moroso, requer muita prática e não tem rigor. Ainda se faz o sabão assim, por exemplo em muitos lugares de África, no Brasil... e há muitos sites sobre isso. São métodos ancestrais, que de alguma maneira utilizam sempre os mesmos ingredientes, as cinzas são provenientes das mesmas madeiras, as gorduras são as mesmas e essa ancestralidade e tradição, ou melhor, o conhecimento que daí resulta, funciona! Sinceramente, eu não pretendo fazê-lo e não o recomendo. Para o meu sabão uso hidróxido de sódio (NaOH) com 99% de pureza, ou hidróxido de potássio (KOH) também de elevada pureza, consoante o tipo de sabão que pretendo fazer. Imponderáveis já o sabão artesanal tem que cheguem! a lixívia de cinzas obtida pelo método que aqui ensino não é suficientemente alcalina para fazer sabão, mas é um maravilhoso e seguro produto de limpeza.

      Eliminar
  7. Olá, Maria Manuela. Sou brasileiro e também faço sabão de lixívia e realmente o resultado é surpreendente. Passo por algumas dificuldades em casa, porque minha mulher e filho têm dificuldade de aceitar um sabão líquido que seja menos denso (espesso) e que faça menos espuma que os convencionais. Mas já substitui sabão em pó (para lavar roupa), produtos para piso etc. Como dica, eu espesso o sabão de lixívia, usando CMC (carboximetil celulose) ou goma xantana e bentonita (o que aumenta o poder de limpeza da lixívia e ao mesmo tempo diminui sua corrosividade para as mãos).

    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro "anónimo" brasileiro :) Obrigada pela sua contribuição para a lista de comentários a este artigo, o que é sempre enriquecedor. Gostaria de esclarecer alguns pontos. 1) a lixívia de cinzas não é um sabão. Com ela, feita de outra maneira (não como descrevo aqui) pode-se efectivamente fazer sabão, pois esta lixívia é hidróxido de potássio o qual na concentração correcta pode ser usado para tal. Esta lixívia é um agente de limpeza poderoso, que utilizo muito em minha casa, mas sempre usando luvas, por causa da sua alcalinidade. 2) não a considero um substituto do sabão natural que eu também faço, mas sim um complemento em caso de necessidade, sobretudo para remover sujidade à base de gordura.

      Eliminar
  8. Olá Maria Manuela , Saudações do Brasil!
    A coloração (Marrom dourado) de sua lixívia de cinzas é decorrente da espécie de madeira que voce utiliza para produzir cinzas?
    Pergunto pois tentei reproduzir cá, e a coloração da lixivia era (Branco leitoso).
    Em Portugal você ja houviu falar que dependendo do tipo de cinzas utilizado para fazer sabões, a roupa poderá "amarelar" quando exposta ao sol? Tipo cinzas de Salgueiro?. (É um efeito que eu gostaria de obter porem é dificil encontrar cinzas de Salgueiro.)
    Parabéns por seu Blog! Obrigado e saudações Brasileiras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Paulo. É certo que cada madeira, pelo seu teor de potássio e outras características,produz uma cinza que dá à lixívia de cinzas uma cor diferente. As madeiras mais duras, têm mais potássio (em Portugal, azinho, sobro...) Para branquear roupa, linhos, etc, mergulho-os num banho de água quente e cinzas, deixo ao sol, vou mexendo e a roupa fica branquíssima

      Eliminar
  9. olá Manuela, vou experimentar, beijinhos Anabela França

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Anabela, fico muito feliz por saber que vai fazer a sua lixívia de cinzas :) há um mundo a descobrir no que às limpezas diz respeito. Beijinho

      Eliminar
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar